The Christian Post > Cristianismo|Sab, 11 Fev. 2012 19:33 PM EST

Cair de quatro e imitar um leão é de Deus ou de Satanás?

PorAndrea Madambashi | Repórter do The Christian Post

Muitos líderes de igrejas e ministérios têm mostrado atualmente fenômenos espirituais como o “cair no espírito” ou imitar animais no palco, levando ao delírio do público que os seguem fazendo a mesma ação.

  • ana paula valadão
    (Foto: www.youtube.com)
    Cantora evangélica Ana Paula Valadão.

Esse fenômeno que acontece nas igrejas, principalmente as pentecostais, tem sido questionado por parte da igreja evangélica que alerta para um correto discernimento do que é de Deus e o que não é.

Veja também:

Prática do 'Cair no Espírito' Gera Controvérsias, 'É um Fenômeno Natural' Diz Apologista

Entendendo a 'Bênção de Toronto'

Benny Hinn É Um Bom Referencial Para o Povo de Deus? (1)

Curta-nos no Facebook

O estudioso, chanceler da Universidade Presbiteriana Mackenzie, citou em um artigo publicado nesta quinta-feira em seu blog, episódios como o de Ana Paula Valadão que imitou um leão no palco durante um evento em 2009.

Nicodemus alerta para o bom entendimento desses “atos proféticos”. Segundo ele, o imitar dos animais em palco sob a “unção” do Espírito Santo pode ter começado em 1995, na igreja do Aeroporto de Toronto, no Canadá, conhecida por ser o berço do “riso santo”.

“Naquele ano, um pastor chinês, líder das Igrejas chinesas cantonesas de Vancouver, Canadá, durante o período de ministração na Igreja do Aeroporto, começou a urrar como um leão,” explica Nicodemus.

O fenômeno foi considerado do Espírto Santo pelo pastor principal da igreja, John Arnott,fato que levou a igreja a ser desligada de sua denominação, a Vineyard Fellowhip.

A partir daí “a moda pegou”, segundo ele, e sons de animais passaram a ser parte da “benção de Toronto”. “Houve casos de pessoas rugindo como leão, cantando como galo, piando como a águia, mugindo como o boi, e gritando como um guerreiro”.

No cenário de hoje, Nicodemus acredita que os argumentos utilizados para esses “atos proféticos” estão baseados no fato de Deus ter enviado seus servos a transmitirem mensagens ao povo usando objetos e dramatizando a mensagem.

Um dos exemplos que ele cita vem de Jeremias 27:2, em que Deus mandou Jeremias atar canzis (cangas) ao pescoço como símbolo do cativeiro do povo de Israel.

Os atos simbólicos que Jesus determinou, entretanto, foram o do batismo aos discípulos com água, comer pão e beber o vinho em memória dele, afirma o reverendo. Fora disso, não há nenhuma recomendação de uso de atos simbólicos para transmitir a mensagem do Evangelho, de acordo com ele.

Para o apologista Johnny T. Bernardo, fundador do Instituto de Pesquisas Religiosas (INPR), caracaterísticas como essas dentro da igreja, são individuais e variam de igreja para igreja e país para país.

Para ele, fenômenos como o “cair no espírito” é “natural”, mas precisa de acompanhamento bíblico e eclesiástico.Ele alerta que muitas igrejas interpretam o fenômeno fugindo à reta da ortodoxia e pode constituir um prejuízo ao Evangelho.

“A virtude do Espírito é dada à Igreja como uma forma de “dunamis” (poder, impulso) para que esta realize a obra de Deus (Atos 1.8). é mais um sinal interno do que externo”, disse o apologista.

  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
  • Wanderlei Silva no TUF Brasil...
Não Perca