The Christian Post > Política|Dom, 18 Jul. 2010 03:06 AM EST

Conservadores de DC Apelarão ao Supremo Tribunal

PorNathan Black | Repórter do Christian Post tradutor Rodrigo L. Albuquerque

Cristãos e grupos conservadores em Washington estão determinados a levar a questão do casamento entre homossexuais para o Supremo Tribunal Norte-americano, após seu apelo para deixar o povo votar sobre a questão que foi rejeitada.

  • Marriage dc traditional
    (Foto: AP / Jacquelyn Martin )
    Jonathan Paul Ganucheau com sua esposa, Denise Buckbinder Ganucheau, em uma cerimônia em Washington, DC. Foi parte de um protesto de 05 de maio contra a decisão no Distrito de Columbia de reconhecer os casamentos homossexuais realizados em outros Estados.

"Nos Estados Unidos, nós respeitamos o direito de voto. Os cidadãos do Distrito de Colúmbia não devem ter suas vozes reprimidas pelo governo, mas que é, exatamente, o que está acontecendo aqui," disse Austin R. Nimocks, advogado sênior da Alliance Defense Fund.

Em uma decisão restrita 5 a 4, o Tribunal de Apelações de DC confirmou, nesta quinta-feira, a decisão da Câmara DC Eleições e ética de bloquear os moradores de votar sobre o casamento de mesmo sexo.

O casamento para casais de gays e lésbicas foi legalizado no distrito por parlamentares, em dezembro, e a lei entrou em vigor em março.

Desde setembro, os defensores do casamento tradicional têm vindo a exigir que seja dado aos residentes o seu direito de voto sobre a questão divisiva, mas uma iniciativa de cédula foi rejeitada pelo Conselho de Eleições e ética e, em seguida, pelo Supremo Tribunal de Justiça do Distrito de Colúmbia.

A decisão de quinta-feira marcou mais um golpe para os adeptos do casamento tradicional.

Curta-nos no Facebook

“O Tribunal de Apelos de D.C. atinge o coração da democracia com sua decisão ativista.O Tribunal se pôs além da lei (A Carta do Ato da Emenda), comprando o argumento de que a lei não pode ser lida literalmente, para negar aos moradores do Distrito o direito deles de auto-governo,” declarou a CEO da Concerned Women for America (Mulheres Interessadas pela América), Penny Nance.

Cinco juízes do Tribunal de Apelações afirmaram que as decisões do Supremo Tribunal agiram legalmente. Eles concluíram que os oficiais “determinaram corretamente” que a iniciativa de votação violaria a Lei de Direitos Humanos, que proíbe discriminação contra gays e lésbicas. Sob a lei de D.C., os referendos não podem violar as leis de direitos humanos da cidade.

Em um parecer divergente, quatro juízes declararam que os oficiais abusaram da autoridade quando eles impuseram a limitação da Lei de Direitos Humanos sobre o direito de iniciativa.

“Deveria ser claro que ninguém aqui neste Tribunal duvidasse da importância da Lei de Direitos Humanos,” eles completaram. “Não discriminação, tolerância, aceitação e inclusão, todos são valores fundamentais para ser fomentados em uma sociedade pluralizada. Mas essas aspirações são melhores alcançadas através do sistema legal e isso é vital que as instituições do governo do Distrito observem os limites postos sobre eles pela Lei e Carta de Autonomia Política. é nosso dever vigiar as ações do Conselho que podem exceder a autoridade delegada.”

Proponentes da iniciativa de votação argumentam que eles foram negados à principal liberdade fundamental – o direito de votar. O próximo passo é apelar para o Supremo Tribunal Norte-americano.

“Enquanto o Distrito permitir que o povo se expresse, a equipe do Bispo Harry Jackson está determinada a levar o assunto até o Supremo Tribunal Norte-americano, o próximo – e último recurso – em preservar o princípio de auto-governança desta cidade é acreditada ser um símbolo,” disse o Presidente do Conselho de Pesquisas da Família Tony Perkins.

Jackson é pastor de Mega-igreja de Maryland e lidera a iniciativa do referendum.

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca