The Christian Post > Política|Ter, 3 Ago. 2010 02:52 AM EST

Igrejas Elogiam o Ato de Equidade Cocaína e Crack

PorJennifer Riley | Repórter do Christian Post tradutor Rodrigo L. Albuquerque

Ambos grupos Protestantes de ambas as linhas principais, liberais e evagélicos conservativos estão aplaudindo a nova legislação que faz a sentença de disparidade entre a posse de craque e pó de cocaína mais justa.

  • Crack cocaina
    (Fonte: AP / Jae C. Hong)
    Silhueta de Sheila Nichols, 55 anos, enquanto está em quarto, em Los Angeles, segunda-feira, 19 de julho de 2010. Após duas décadas vivendo nas ruas do Skid Row, Nichols estava morrendo. Estava devastada por um vício pesado de crack, hepatite, HIV e sífilis em estágio avançado. Nichols foi resgatada pelo Projeto 50 e obteve cuidados médicos e serviços sociais. Recentemente, protestantes liberais e evagélicos conservativos aplaudiram uma legislação que faz a sentença de disparidade entre a posse de craque e pó de cocaína mais justa.

A Lei de Pena Justa de 2010, que passou pela Câmara dos EUA, semana passada, reduz a taxa de condenação infame de 100 a 1 por posse de crack versus pó de cocaína para 18 a 1.

A atual lei exige um mínimo de cinco anos de prisão para o simples porte de cocaína e crack. Entretanto, uma quantia de pó de cocaína 100 vezes maior do que o crack cocaína poderia resultar no mesmo período de prisão.

"A legislação faz com que ocorra um progresso significativo em direção à paridade em penalidades criminais por posse e uso de crack e cocaína em pó," comentou Galen Carey, diretor de assuntos governamentais da Associação Nacional de Evangélicos, em uma declaração, segunda-feira. "Embora não haja totalmente a equalização das penalidades para as duas drogas, a Lei de Pena Justa reduz a disparidade e também reduz o custo para os contribuintes de comprimento de encarceramento desnecessário."

Crack e cocaína em pó são as mesmas drogas, mas o crack é mais utilizado pelos afro-americanos enquanto que a cocaína é utilizada predominantemente por brancos e hispânicos.

Os afro-americanos formam 82,7 por cento das condenações de crack, segundo dados de 2007 a partir de dados da Comissão de Penas dos Estados Unidos. Enquanto isso, os réus brancos e hispânicos compõem 71,4 por cento das condenações por cocaína em pó.

Curta-nos no Facebook

Nos termos da lei, a quantidade mínima de cocaína que daria origem a uma sentença mínima obrigatória de 5 anos é de 28 gramas, mais do que cinco gramas. A sentença mínima obrigatória de 10 anos seria dado a alguém que possua, no mínimo, 280 gramas, acima de 50 gramas.

Para a cocaína em pó, um mínimo de 500 gramas e cinco quilogramas resultaria em um mínimo de 5 e 10 anos de sentenças mínimas obrigatórias, respectivamente.

O projeto marca a primeira vez que o Congresso revogou uma sentença obrigatória de drogas desde a administração Nixon.

O Rev. Dr. Michael Kinnamon, diretor-executivo do Conselho Nacional de Igrejas de Cristo nos EUA, comentou que o tratamento "desigual" das pessoas de cor nos termos da lei atual pela posse de crack tem aumentado o "cinismo" na justiça criminal do sistema.

Da mesma forma, o Bispo Peggy Johnson da Igreja Metodista Unida na Conferência de jurisdição do Nordeste disse que a condenação injusta por delitos de crack, "sem dúvida," tem algo a ver com o encarceramento desproporcionado de pessoas de cor.

"Martin Luther King Jr. disse certa vez que "o arco do universo moral é longo, mas se inclina para a justiça," disse Johnson. "Hoje temos que nos aproximarmos para realizar a justiça no nosso sistema de justiça criminal."

Dados da Comissão de Penas dos Estados Unidos mostra que maioria dos processos federais por crack e cocaína foram contra traficantes de baixo nível que recebem punições mais severas do que os traficantes internacionais de cocaína em pó, devido à enorme diferença na quantidade de cocaína em pó necessária para a prisão longa.

"Nós precisamos parar de desperdiçar os preciosos investigadores federais, quando a equipe de drogas “Drug Enforcement Administration” e o Departamento de Justiça devem ir atrás de traficantes de alto nível," disse uma carta em Junho aprovado pelo NAE, Focus on the Family e Prison Fellowship, entre outros, os líderes dos Estados Unidos.

A nova lei, uma vez promulgada, afetaria cerca de 3.000 casos por ano, reduziria as penas por uma média de 27 meses, e economizaria 42.000 mil dólares em cinco anos, de acordo com estimativas da Comissão de Penas dos Estados Unidos. Ela não afeta pessoas que já estão cumprindo pena por delitos de pouca quantidade de crack.

O projeto agora vai para a Casa Branca para a assinatura do presidente Obama.

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca