The Christian Post > Cristianismo|Qua, 6 Out. 2010 12:54 PM EST

Cristãos Negros Praticamente Inexistentes da Força Missionária dos EUA

PorLillian Kwon | Christian Post Reporter tradutor Amanda Gigliotti

Richard Coleman tem uma paixão por missões. Mas ele está preocupado com o fato de muitos de seus irmãos Africano-americanos não estarem na mesma página com ele.

  • national-baptist-convention
    (Foto: AP Images Murphey / Lance)
    Nesta foto de arquivo, congregados participam da reunião da Convenção Batista Nacional dos EUA, em Memphis, Tennessee, quinta-feira, 10 de setembro de 2009.

Igrejas de Negros em geral não têm vindo a aumentar a força missionária fora dos Estados Unidos. E Coleman está esperando que eles confrontem com a falta de envolvimento de longa data e façam o seu caminho no exterior para os milhões que nunca ouviram falar de Jesus.

De acordo com o Manifesto Mobilização Missões Africano-Americanas 2007 pela Columbia International University, os negros representam menos de um por cento do total (118.600) de missionários dos EUA.

Mas Coleman, que serve como o diretor de candidatura e de mobilização para a Sociedade da Missão, não teve que olhar as estatísticas para perceber que os negros foram praticamente ausentes dos campos de missão.

Enquanto frequentava a Universidade Oral Roberts, ele se envolveu em missões de curto prazo, pela primeira vez. Foi em sua primeira viagem, onde ganhou uma paixão por missões. Ele tinha 19 anos na época e visitava a Uganda.

A escola de Tulsa, Oklahoma, iria enviar cerca de 200 a 300 alunos cada verão em viagens missionárias. Mas Coleman percebeu que seria apenas um punhado de alunos negros.

Curta-nos no Facebook

"Então quando eu fui para a África, os africanos diriam 'Onde estão os negros? Como é que eles não vêm?" recordou o evangélico de 32 anos de idade, ao The Christian Post.

Depois de receber o grau de M. Div., Coleman serviu como o diretor de missões na Igreja Batista New Birth Missionary em Lithonia, Geórgia. A mega-igreja, liderada pelo Bispo Eddie Long, tinha cerca de 25.000 pessoas, mas havia dois ou três missionários apenas em tempo integral a ser enviados. E somente 20 pessoas foram enviadas em missões de curta duração a cada ano a partir da Igreja.

Agora na equipe do The Mission Society, Coleman novamente está vendo apenas um punhado de Africano-americanos entre os mais de 200 missionários que estão sendo treinados e enviados para ministrarem em todo o mundo.

"A questão continua. É algo que eu carrego comigo aqui," lamentou.

Durante a entrevista na terça-feira, Coleman retirou um livro intitulado ‘A experiência Africano-Americana em Missão Mundial: Uma Chamada Para Além da Comunidade.’ Ele citou uma estatística antiga para ilustrar o quão sério era o problema.

Em 1993, ele leu, o Africano Igreja Metodista Episcopal (AME) informou que havia 8.000 congregações e 3,5 milhões de membros e rendimento total de ministério no exterior foi de 253.000 dólares - que são R$ 31 por cada Igreja por ano. A Convenção Batista Nacional, EUA, relatou 40 cêntimos por cada membro da Igreja por ano para missões.

Embora as estatísticas datem quase 20 anos atrás, Coleman está convencido de que a Igreja AME de hoje tem menos de 10 missionários servindo no mundo.

"E o [NBC] não está, provavelmente, melhor," acrescentou.

O Rev. Dr. Kermit J. DeGraffenreidt, diretor executivo do Departamento da Igreja AME Zion de Missões Estrangeiras, não nega a falta de ênfase em missões globais na Igreja negra.

Ele disse ao jornal The Christian Post que, quando o orçamento da denominação está sendo desenvolvido, as missões "não podem ficar no topo da lista."

Atualmente, muito do seu apoio para ajudar os povos indígenas a desenvolverem habilidades de liderança. Em outras palavras, a denominação está enviando "salário" para os líderes indígenas em cerca de 12 países em vez de apoiar missionários de tempo integral, o que exigiria um maior apoio financeiro. DeGraffenreidt não poderia fornecer imediatamente o percentual do total do orçamento que é enviado ao exterior.

A Igreja AME Zion tem, no entanto, "conseguido encontrar" indivíduos auto-sustentáveis para servirem como missionários, adicionou ele.

Como alguém que serviu como missionário na Libéria, por seis anos, DeGraffenreidt disse que gostaria de ver a Igreja negra revitalizar as forças missionárias dos EUA e alocar mais fundos para as missões.

"Eu gostaria de ver mais do mesmo feito," comentou ele.

Mas a má economia não tornou mais fácil.

"Com a recessão de agora e as pessoas olhando para suas famílias, receber o apoio [para missões] não é a coisa mais fácil," observou.

O que está os está segurando de volta?

O apoio às famílias e à comunidade é uma das razões pelas quais as Igrejas Africano-americanas não têm sido envolvidas em missões inter-culturais, de acordo com Coleman.

Comparado ao Igrejas protestantes de brancos, há um monte de necessidades na Igreja negra, apontou o nativo de Atlanta.

"Basta pensar no número de pessoas em dificuldade em uma Igreja negra, que perderam os seus empregos ou não podem conseguir um emprego e eles geralmente recorrem à Igreja para ajudar," disse ele. "E a Igreja está pagando contas de luz e esse tipo de coisa."

"Então você entende a razão ‘por que eu iria dar dinheiro a essas pessoas no exterior que eu não sei quando as pessoas ao meu redor estão sofrendo.'"

Coleman não está tentando denunciar a Igreja negra. Ele entende a história por trás de algumas das decisões tomadas hoje e simplesmente quer incentivar as Igrejas negras a voltarem a bordo para compartilhar Jesus a 1,8 bilhão de pessoas que nunca ouviram falar de Seu nome.

Essa história inclui os negros que foram proibidos de servir ao lado de outros missionários e de entrar em determinados países, para não mencionar a luta pelos direitos civis nos Estados Unidos, que exigiram um esforço coletivo.

"Quando você olhar para o movimento dos direitos civis, todos tiveram que focar internamente e todo mundo teve que lidar com esse grande problema em casa. Eles tiveram que suspender outros empreendimentos," explicou Coleman.

"E uma vez que temos os mesmos direitos e privilégios como todos os outros, a natureza humana - e isso não é uma coisa de negro ou branco ou qualquer outra coisa relacionada com cor - prossegue o conforto, segurança e igualdade. E assim, quando o campo de atuação se tornou muito mais nível, acho que nossas buscas mudaram para a edificação da comunidade e eu não acho que nós realmente começamos a olhar para fora."

Mas o jovem especialista em missões acredita que Africano-americanos estão em posição de terem um grande impacto sobre a evangelização global. Eles se identificam com o sofrimento, disse ele.

"As pessoas ao redor do mundo já ouviram falar dessa história e tenho visto a superação das dificuldades," observou. "As Igrejas negras têm uma mensagem de encorajamento para o mundo."

Coleman deixou claro que não quer dizer a essas Igrejas o que fazer, mas ele quer ajudá-las a "se aproximarem de Deus e sua comunidade da Igreja a descobrir o único lugar que Deus os chamou para servir."

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca