The Christian Post > Cotidiano|Seg, 16 Abr. 2012 12:05 PM EST

Critérios da anencefalia serão definidos por comissão especial

PorKeyla Cezini | Correspondente do The Christian Post

Uma comissão especial foi criada para estabelecer os critérios para o diagnóstico de anencefalia. A criação da comissão foi definida na manhã da última sexta-feira, 13, pelo Conselho Federal de Medicina (CFM). A decisão foi tomada a após o Supremo Tribunal Federal (STF) ter liberado a interrupção de gestações de fetos anencefálos na quinta-feira, 12.

A comissão tem até 60 dias para definir os critérios. Ela será composta por representantes do CFM, das sociedades médicas de pediatria, neurologia, ginecologia e obstetrícia, do Ministério da Saúde, e especialistas em ultrassonografia fetal. Ela também pode ter a contribuição de especialistas de algumas universidades e escolas médicas do país. A expectativa é que o grupo tenha até dez integrantes.

O objetivo de estabelecer esses critérios é dar mais segurança aos médicos para diagnosticar os casos de anencefalia. Isso facilitaria interrupção mais precoce de gestações, quando as mulheres optarem por isso.

O Conselho tem tido a preocupação de ressaltar que, no caso de fetos diagnosticados com anencefalia, a antecipação terapêutica do parto não deve ser entendida como uma obrigação. Realizar essa prática é um direito concedido à mulher e cabe a ela decidir se quer ou não realizá-la.

Hospitais preparados

Segundo dados do Ministério da Saúde, o País conta com 65 hospitais credenciados para fazer aborto de fetos anencéfalos. Os nomes dos hospitais, porém, não foram divulgados.

Curta-nos no Facebook

São Paulo e Ceará são os estados com mais hospitais credenciados, já Roraima e Paraná não possuem unidades credenciadas. A expectativa é que, até o final do ano, mais 30 hospitais estejam qualificados a realizar o procedimento.

Igreja

Em nota à imprensa, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) disse que "lamenta profundamente" a decisão do STF de autorizar a interrupção da gravidez em casos de anencefalia. Segundo a entidade, permitir o aborto nesses casos é "descartar um ser humano frágil e indefeso".

"Considerar que o aborto é a melhor opção para a mulher, além de negar o direito inviolável do nascituro, ignora as consequências psicológicas negativas para a mãe. O Estado e a sociedade devem oferecer à gestante amparo e proteção", afirma CNBB na nota.

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca