The Christian Post > Cristianismo|Ter, 1 Mai. 2012 08:47 AM EST

Estudioso aponta exagero no número de adeptos das ‘Igrejas inclusivas’; erroneamente chamadas 'inclusivas'

PorAndrea Madambashi | Repórter do The Christian Post

Apologista contesta número de fiéis das “igrejas inclusivas” divulgados pela matéria da BBC Brasil, no dia 27 de Abril, dizendo que o número foi superestimado.

  • Lanna Holder
    (Foto: Igreja Cidade Refúgio)
    Lanna Holder em ministração. Lanna Holder, que criou Igreja Cidade Refúgio inclusiva, integrando homossexuais sem reconhecer a homossexualidade como pecado, tem resposta de Silas Malafaia.

Em matéria publicada pela BBC Brasil sobre o crescimento das igrejas inclusivas no Brasil, intitulada “Desafiando preconceito, cresce número de igrejas inclusivas no Brasil”, o número de congregações de igrejas existentes são dez e o número de atendentes somem 10 mil.

O fundador do Instituto de Pesquisas Religiosas (INPR), Johnny Bernardo, contesta os números em uma breve análise disponível em seu site. Em entrevista ao The Christian Post, o pesquisador e apologista explicou sobre o exagero nos números e como chegou a essa conclusão.

Em um breve levantamento realizado, o pesquisador aponta que as únicas duas denominações de expressão nacional, a Igreja da Comunidade Metropolitana (ICM) - com seis filiais concentradas nas principais metrópoles e cidades do Brasil, possui em torno de 1400 membros; enquanto que a Igreja Cristã Contemporânea (ICC), concentrada no Estado do Rio de Janeiro, deve chegar a ter 1000 membros.

Ele aponta ainda, outras igrejas de menor expressão, como a Comunidade Cristã Refúgio (CCR), possui em torno de 400 membros, que inclui os da sede, em São Paulo somado ao um grupo que está em formação no Paraná; e a Igreja Mel, na qual, segundo sua pesquisa, não deve passar de 300 membros. Sem valor estatístico, ele afirma, há ainda ainda pequenos grupos (células) presentes em estados como Rio G. do Sul, Paraná, São Paulo etc. não filiadas a uma denominação oficial.

Bernardo também discutiu a problemática em torno da ideia que o nome “igrejas inclusivas” passa, visto que o ele implica que igrejas tradicionais seriam “exlusivas”, excluindo uns e acolhendo outros, enquanto que as “igrejas inclusivas” seriam então as que abraçariam a todos.

Curta-nos no Facebook

Segundo ele, as “igrejas inclusivas” passam a ideia de que as igrejas evangélicas não são simpáticas ao movimento LGBT, exigindo que os novos convertidos passem por tratamento psicológico.

Líderes como Troy Perry, fundador da ICM, Marcos Gladstone, fundador da ICC e Lanna Holder (fundadora da CCR) apoiam-se em tais argumentos como a discriminação e desprezo da sociedade para arregimentar adeptos descontentes com o modelo tradicional de confissão de fé, diz o apologista.

O também apologista e pastor João Flávio Martinez afirmou recentemente ao CP que a atitude dessas igrejas “inclusivas” não é de inclusão, mas de “apostasia e desrespeito” ao corpo de Cristo. Ele defende que as igrejas tem que amar e receber a todos, mas não perder a firmeza e a convicção.

Adeptos das igrejas “inclusivas”, entretanto, alegam discriminação e falta de liberdade de expressão, segundo a BBC Brasil, e se sentem livres para manifestar sua fé nessas igrejas independemente de sua opção sexual. Josiane de Souza, 25 anos, travesti, é um destes casos que aderiu à tais igreja. Segundo ela, ela foi expulsa de sua igreja quando começou a se vestir como mulher, de acordo com a publicação.

Para Martinez o problema com os homossexuais é o fato de que eles não quererem admitir que homossexualidade seja pecado, passando por cima dos ensinamentos Bíblicos. “Cristo ama o pecador, mas não aceita o pecado”, afirmou ele ao CP.

“A igreja atual acha politicamente incorreto falar contra o pecado, mas não temos opção, somente pela potência da palavra de Deus teremos pessoas livres do pecado e redimidas pela Graça do senhor”.

Bernardo também não nega que haja a discriminação de alguns membros de igrejas evangélicas. Mas ele esclarece que “não há discriminação quando determinada igreja ou líder evangélico incentiva que homossexuais assumam seus papeis originais, ou seja, o de homem e mulher, para então fazerem parte da comunidade cristã”.

“É uma questão de conduta, de padrão moral e religioso nas quais as igrejas evangélicas estão inseridas. O homossexualismo é algo avesso a sociedade, que rompe com os laços familiares tradicionais. Caso o homossexualismo fosse algo natural, seriam três e não dois os gêneros sexuais criados por Deus”, disse ele ao CP.

Apesar disso, Bernardo pede cautela às igrejas evangélicas ao encarar o homossexuais, urgindo que elas não restrinjam o acesso deles aos seus locais de culto. Seu incentivo é de que se “ame o pecador, mas que se abomine o pecado”.

“É através da prática do amor e do acompanhamento, que não somente os homossexuais, mas também os viciados em drogas e álcool, mudarão de vida e de atitude perante a igreja e a sociedade. Sem amor não chegaremos a lugar nenhum!”

Recrutamento

Segundo Johny Bernardo, nas “igrejas inclusivas” não há “conversão”, mas sim, “recrutamento”.
A parada gay, realizada em diversas cidades do Brasil, diz ele, são eventos onde os agentes das “igrejas inclusivas” recrutam novos adeptos. De acordo com ele, há também em torno disso a questão do interesse econômico.

“Não somente o mercado hoteleiro e turístico, mas o próprio movimento LGBT percebeu há muito o potencial econômico dos homossexuais - potencial esse agora explorado pelas igrejas ‘inclusivas’”, apontou.

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca