The Christian Post > Política|Seg, 26 Jul. 2010 16:57 PM EST

Estudo: Poucos americanos dizem que a fé é sua prioridade principal

PorJennifer Riley | Repórter do Christian Post tradutor Amanda Gigliotti

Embora os Estados Unidos sejam conhecidos mundialmente como sendo um país religioso, poucos Americanos dizem que a fé é a prioridade principal de suas vidas.

Aproximadamente 90 por cento dos Americanos, de acordo com o CIA World Factbook, se identificam com a religião. Porém, apenas 12 por cento dos Americanos adultos dizem que a fé é a prioridade principal de suas vidas, de acordo com um novo estudo apresentado segunda-feira pelo Grupo Barna.

Aproximadamente três quartos da população Norte-americana é Cristã.

“A distância é grande entre aqueles que se auto descrevem afiliados ao Cristianismo e os que declaram a fé sua mais alta prioridade,” comentou David Kinnaman, presidente do Grupo Barna, em um comunicado. "Quando se trata de por que a religião americana parece tão meramente superficial, este defasamento entre o que as pessoas chamam a si mesmos e o que priorizar seja talvez o mais revelador."

Os 12 por cento que dizem que a fé é a maior prioridade em sua vida foi acima de nove por cento em 2008, mas abaixo de 16 por cento em 2006.

Olhando para a demografia da fé cristã, os evangélicos são os mais propensos a dizer que a fé é a maior prioridade na vida (39 por cento), enquanto os católicos são os menos prováveis (quatro por cento), de acordo com o estudo do Barna.
Notadamente, o estudo destaca que a porcentagem de católicos que dizem que a fé é a prioridade em sua vida é apenas ligeiramente superior que a dos adultos "sem Igreja" (dois por cento).

Curta-nos no Facebook

Aproximadamente um em cinco protestantes (18 por cento) e fiéis (18 por cento) - cuja freqüência de comparecimento à igreja não foi definido - dizem que a fé é a maior prioridade em sua vida.

O estudo Barna, realizado de 27 janeiro a 2 de fevereiro, utilizando uma amostra aleatória de 1.006 adultos americanos, buscou-se identificar a forma como a problemática da economia tem impactado as prioridades dos Norte-americanos.
De longe, a mais alta prioridade para os Norte-americanos é a família. Quarenta e cinco por cento dos Norte-americanos dizem que sua família é o aspecto mais importante em sua vida.

A segunda prioridade mais importante é a saúde / lazer / estilo de vida equilibrado (20 por cento), seguido pela riqueza / profissão / ganhar dinheiro / sucesso / finanças (17 por cento), e da fé (12 por cento).

Em termos de mudança de prioridade - um possível efeito da economia - o estudo do Barna descobriu que nos últimos dois anos, a percentagem de Norte-americanos que dizem que as finanças são a sua prioridade máxima aumentou de 12 por cento em 2008 para 17 por cento em 2010.

Também, mais Norte-americanos agora dizem que a saúde e o estilo de vida equilibrado (20 por cento versus 15 por cento) ou a fé (12 por cento versus 9 por cento) é sua prioridade principal comparado aos dois anos anteriores.

Curiosamente, há uma queda no número de Norte-americanos que dizem que família é sua prioridade máxima (45 por cento versus 52 por cento). No entanto, a família continua a ser a prioridade mais importante, para os Norte-americanos.

"A sabedoria popular diz que quando a economia declina, as pessoas se concentram mais no que é "básico," como a família e fé," comentou Kinnaman, que dirigiu o estudo. "Esta pesquisa põe o pensamento em questão, ou nos leva a refletir que a economia não tem sido ruim o suficiente para causar uma significativa re-priorização da família e da fé."

Ele também observou que a fé é "a mais volátil" das prioridades no estudo Barna. A fé é a única prioridade que caiu a partir de 2006, depois cresceu "sugerindo a incerteza sobre a interação entre fé e finanças."

"As pessoas não estão se voltando para outros - como membros da família ou de Deus - em face dos ensaios econômicos," disse Kinnaman. "Em vez disso, eles estão se concentrando cada vez mais sobre si mesmos, tentando resolver seus problemas sendo mais "equilibrados" ou simplesmente “trabalhando mais duro."

"[A] economia revelou Norte-americanos com fixação pelo individualismo e suas ilusões de ser auto-suficientes," acrescentou.
O grupo Barna, um grupo de pesquisa e investigação focado nas tendências culturais e religiosas, planeja divulgar um relatório mais aprofundado sobre o impacto da economia sobre a crença religiosa e comportamental.

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca