The Christian Post > Mundo|Qua, 16 Fev. 2011 13:21 PM EST

Irmandade Muçulmana, como Futuros do Egito, Permanece Nebuloso

PorEric Young | Christian Post Reporter tradutor Rodrigo L. Albuquerque

Com a Irmandade Muçulmana preparada para desempenhar um papel crescente no governo do Egito, na sequência da demissão do presidente do país há muito tempo, muitos observadores têm olhado para o grupo por pistas sobre o que está por vir para o Egito.

  • Muslim brotherhood-christian-post
    (AP Photo)
    Membros Sêniores da Irmandade Muçulmana do Egito Saad el Katatni, direita, Mohamed Morsi, centro, e Essam el Erian realizam uma conferência de imprensa sobre a recente sitação no Egito, no Cairo, quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011.

Mas o grupo, como muitos estão próximos de encontrar, podem muito bem ser tão obscuros quanto o futuro do país do Norte Africano.

"Nunca é totalmente claro com os irmãos," Dr. Josh Stacher da Kent State University, afirmou ao Wall Street Journal em um relatório terça-feira.

"é um grupo grande, com muitos pontos de vista diferentes," acrescentou o professor de ciência política, que passou anos no Egito estudando a organização. "Você pode encontrar o cara sempre gritando sobre Israel, e depois você tem os outros caras que não se preocupam por Israel, porque está ocupado demais se preocupando com o aumento das taxas de alfabetização."

Conhecido também como al-Ikhwan al-Muslimin, a Irmandade Muçulmana é um dos movimentos mais antigos e influentes no mundo islâmico. O objetivo declarado do movimento é incutir o Alcorão e a Suna como o "único ponto de referência para ... ordenar a vida da família muçulmana, individual, da comunidade ... e do Estado."

"A Irmandade é, de alguma maneira, dedicada aos pragmáticos," comentou o consultor Bob Kubinec de Washington D.C. em uma coluna de opinião para Christianity Today.

Curta-nos no Facebook

"O pior que poderia ser dito da Irmandade é que eles continuariam a status quo," acrescentou, depois de notar a grande discriminação social contra os Cristãos no Egito.

Desde a sua fundação em 1928, a Irmandade Muçulmana tem combinado religião, ativismo político e social em seu trabalho. O movimento de revivalismo islâmico aprovou slogans como "O Islã é a solução" e tem buscado a criação de um Estado islâmico. Mas simpatizantes afirmam o desejo de base da Irmandade é ser capaz de praticar o Islã, como eles querem, sem interferência do Estado.

"Embora possa parecer a princípio contra-intuitivo, os Cristãos do Egito poderiam estar mais seguros se a Irmandade Muçulmana foi uma parte do atual governo," escreveu Kubinec.

Críticos, no entanto, discordam.

Enquanto os membros da Irmandade incluem moderados jovens com visões políticas sobre questões como os direitos das mulheres e malha de liberdade religiosa com os valores ocidentais, o movimento também inclui os conservadores mais velhos que protestam contra o imperialismo americano e chamam para o estabelecimento de um estado islâmico.

E, notavelmente, o último supera o anterior, especialmente na liderança, onde supostamente ninguém está abaixo de 50.

"O Islã não é nem filosoficamente nem teologicamente compatível com outras religiões ou com a democracia. Portanto, é difícil levar a sério as alegações da Irmandade Muçulmana que não quer nada mais do que um governo democrático," comentou Dave James, co-fundador da Aliança para a Integridade Bíblica, em resposta ao artigo do Kubinec.

Assim, enquanto os manifestantes pró-democracia no Egito comemoram a renúncia do presidente egípcio, Hosni Mubarak, após 18 dias de protestos, não se sabe como a mudança de sexta-feira irá afetar o país - em particular a minoria de 10 milhões de grandes Cristãos no Egito.

"As pessoas têm medo do futuro, uma vez que este é um momento extremamente crítico," comentou um pastor da Igreja que tem parceria com a Portas Abertas, no Egito. "Mas nós confiamos em Deus, e nós esperamos e oramos para um novo Egito com a democracia e a liberdade para os Cristãos."

Assim, os grupos de vigilância de perseguição, tais como a Portas Abertas emitiram pedidos de oração para o Egito, que ficou em 19 º lugar da Lista dos 50 piores perseguidores dos Cristãos da World Open Doors Watch de 2011.

"Precisamos lembrar a Igreja. Precisamos lembrar que os Cristãos no Egito enfrentam a 'frigideira e no fogo," comentou o Dr. Carl Moeller, Presidente / CEO da Portas Abertas nos EUA. "Sua esperança está em Jesus Cristo e na Sua soberania, mas a realidade de nossos irmãos e irmãs no Egito é que eles enfrentam um futuro cada vez mais incerto."

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Pew Research Study, 84 por cento dos cidadãos egípcios dizem que favoreceriam a execução pública dos que deixam o Islã por outra religião e setenta e seis por cento dos egípcios a favor apedrejamento para quem fosse apanhado em adultério.

Essas punições seriam realizadas sob a sharia ou lei islâmica, que a Irmandade Muçulmana tem procurado implementar no país.

Na terça-feira, a Irmandade Muçulmana anunciou a sua intenção de formar um partido político, uma vez que a democracia fosse estabelecida no Egito. Novos governantes militares do país, por sua vez, lançaram um painel de peritos para alterar a Constituição do país o suficiente para permitir eleições democráticas no final deste ano.

Generais das Forças Armadas do Supremo Conselho, que agora governam o Egito, disseram nesta terça-feira, que os militares querem entregar o poder a um governo e presidente eleito no prazo de seis meses. O novo painel constitucional está mandatado a elaborar alterações no prazo de dez dias para ser submetido a um referendo, abrindo caminho para as eleições.

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca