The Christian Post > Mundo|Ter, 18 Out. 2011 14:51 PM EST

Libertação Gilad Shalit: Soldado Israelense Vai Para Casa Depois de 5 Anos

PorNicola Menzie | Repórter do The Christian Post

O Oriente Médio tem estado em alvoroço na terça-feira após um soldado israelense mantido em cativeiro pelo Hamas há cinco anos ter voltado para o Estado judeu, enquanto centenas de prisioneiros palestinos, muitos detidos por crimes violentos, foram libertados por meio de troca.

  • gilad-schalit
    (Foto: Reuters)
    Soldado israelense Gilad Schalit (C) é escoltado por membros do Hamas e os mediadores egípcios no lado egípcio da fronteira de Rafah, 18 de outubro de 2011.

Shalit, 25, foi recebido pelo primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu em uma base aérea no centro de Israel terça-feira.

Em comparação, Gaza explodiu em comemorações quando 477 prisioneiros palestinos foram libertados de prisões israelenses, ao mesmo tempo. O número total de prisioneiros palestinos a serem libertados é 1027.

A libertação de Shalit é um momento agridoce para muitos israelenses, que expressaram angústia sobre o fato de que os presos mesmo sendo liberados são responsáveis ​​por alguns dos mais mortíferos ataques terroristas no país. Sua liberação também pode aumentar a probabilidade de futuros ataques contra o Estado judeu.

Após a ratificação do acordo, Shalit foi levado por funcionários do Hamas da Faixa de Gaza para o Egito, em seguida, entregue a autoridades israelenses e levado através da fronteira. Depois de passar por um exame médico, o soldado raquítico falou brevemente com a sua família via telefone e lhe foi dado um uniforme do exército israelense, de acordo com o The Washington Post.

Após cumprimentá-lo na base aérea, Netanyahu abraçou o jovem soldado e lhe disse: "Que bom que você voltou para casa", segundo a imprensa israelense. "Neste dia, todos nós estamos unidos na dor", disse ele.

Curta-nos no Facebook

Apesar de feliz por ter assegurado a libertação de Shalit, Netanyahu admitiu que resolver caso do soldado foi um dos desafios mais difíceis que ele teve de enfrentar como primeiro-ministro. Netanyahu também disse que Israel pagou um "preço alto" para garantir a liberdade de Shalit, segundo o Washington Post.

A troca de prisioneiros foi votada e aprovada pelo gabinete israelense, durante uma sessão de emergência em 12 de outubro, e o negócio foi mais tarde acordado pelo Hamas e funcionários israelenses em um quarto de hotel do Cairo, segundo o Guardian. O acordo foi mediado pelo Egito, com o auxílio de relatórios Alemanha, Haaretz.com.

Vinte e seis ministros israelenses votaram a favor da troca de prisioneiros, e outros três votaram contra, incluindo ministro Nacional de Infra-Estrutura de Israel, Uzi Landau. De acordo com Haaretz.com, Landau chamou o acordo entre seu país e o Hamas para libertar Shalit "uma grande vitória para o terrorismo".

Enquanto isso, em Gaza e na Cisjordânia, líderes do Hamas e parentes receberam o primeiro grupo de prisioneiros libertados com uma celebração.

Os detentos libertados foram agraciados com uma cerimônia de boas vindas pelo presidente palestino, Mahmoud Abbas em sua sede do governo em Mukatah em Ramallah.

"A questão dos prisioneiros tem estado sempre em nossas mentes e nossos corações", disse Abbas aos prisioneiros durante uma cerimônia lotada e jubilosa acolhedor, relatou o The Washington Post.

Enquanto alguns críticos de Israel veem a troca de prisioneiros como uma derrota, os líderes do Hamas concordam e se comprometeram a intensificar os seus esforços para acabar com a ocupação de sua terra natal.

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca