The Christian Post > Entretenimento|Qui, 8 Set. 2011 14:12 PM EST

Livro Polêmico Imagina Jesus Como uma Mulher

PorJeff Schapiro | Correspondente do The Christian Post

Jesus Cristo é considerado a figura mais importante e central em toda a história para muitos. No entanto, em seu romance de estréia, Kristen Wof transforma a descrição bíblica do Messias ao retratar Jesus como uma mulher.

"The Way", que foi lançado em julho, mas está citado na edição de setembro de 2011 da revista The Oprah Magazine como um "Título para Escolher Agora", transporta seus leitores de volta à antiga Palestina, onde uma jovem garota, Anna, luta para compreender o seu propósito em uma sociedade dominada por homens.

Depois de testemunhar o brutal assassinato de uma mulher em sua cidade, e sua família passar por seu próprio conjunto de tragédias, o pai de Anna a disfarça como um menino e a vende a um grupo de pastores.

Depois de anos de aprendizagem do comércio pastoreio e fingindo ser um menino, ela acaba com um grupo de mulheres que celebram a feminilidade e tem poderes místicos, levando-a a reconhecer a mulher que ela realmente é.

O título do livro, The Way (O caminho) , vem do nome da filosofia que as "Sisters" (irmãs) que moram na montanha acreditam em praticam.

Os homens, no romance, são acusados ​​de silenciar violentamente os seguidores do Caminho e a criação de um Deus masculino. Em grande parte da história, Anna deve esconder sua verdadeira identidade como mulher, chamando-se pelo nome de "Jesus" e até mesmo esquecendo que ela é do sexo feminino em alguns pontos.

Curta-nos no Facebook

Controverso, sem dúvida.

Em uma entrevista ao The Christian Post na terça-feira, no entanto, Wolf disse que seu objetivo não era ofender crenças religiosas de ninguém.

"Não é meu papel criticar qualquer religião", disse ela, embora tenha se preparado para a crítica que possa vir a caminho.

"A história é ficção. é de modo algum pretende ser histórico ou acadêmico. Mais uma vez, minha esperança é provocar conversa e diálogo, e eu entendo que [levantar] a crítica é uma parte natural disso".

Sua história pessoal revela muito de sua motivação por trás de sua escrita do romance. Wolf criou um altar temporário na garagem de seus pais onde ela realizava missa para um público de crianças em sua maioria judeus, para as quais ela havia "emprestado" alguns itens da igreja católica, que participou.

Ela diz que se sentia "excluída da minha espiritualidade" como criança por causa da quantidade de masculinidade - os líderes da igreja eram do sexo masculino, Deus foi identificado como Pai e o Cristo é o Filho. Essas questões de identidade desempenharam um grande papel ao escrever seu livro.

Para ela, encontrar sua identidade "tem sido uma busca e um desejo que eu tive, e que, creio eu, outras pessoas tiveram também, e então eu queria explorá-lo por mim mesma, mas também trazer outras pessoas junto comigo porque eu acho que é uma exploração rentável".

Hoje, Wolf não se identifica com nenhuma religião em particular, mas acredita em idéias semelhantes às que são promovidas pela The Way - maravilha, admiração, atenção e gratidão para com a criação.

"Para mim, a espiritualidade é uma questão constante e uma busca constante ... é o desejo que todos nós compartilhamos, e que é entender o que é maior do que todos nós", comentou.

Este primeiro romance não será sua último, também. Wolf tem uma trilogia planejada, embora ela só pudesse falar muito pouco sobre isso.

"Ela continua a história de O Caminho para os dias de hoje e além", disse ela.

Ela não acredita exclusivamente no Cristo da Bíblia como o caminho, uma verdade. Ao mesmo tempo, Wolf disse que acredita que se as pessoas seguissem seus ensinamentos o mundo seria um lugar melhor.

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca