The Christian Post > Política|Qua, 14 Jul. 2010 02:50 AM EST

Mais de 10.000 se Unem no Evento 'Ending Abortion'

PorNathan Black | Repórter do Christian Post tradutor Rodrigo L. Albuquerque

Cerca de 10.000 pessoas se juntaram ao primeiro evento Web, no final de semana, focado em educar o público sobre como acabar com o aborto.

  • david-bereit
    (Foto: 40 days of Life via The Christian Post)
    Diretor David Bereit da 40 Days for Life national, em sua apresentação na reunião do "Keep God in America." A 40 Days for Life coordenou a conferência webcast, o primeiro passo da iniciativa Ending Abortion. Neste dia David Bereit foi também um dos oradores, sábado 10 de julho de 2010.

Coordenado pela 40 Days for Life, a conferência webcast de 10 horas, no sábado, foi projetada para definir o cenário para uma maior participação local nos esforços pró-vida por todo o país. Foi lançado como o primeiro passo da iniciativa Ending Abortion.

Com grande participação de grupos pró-vida e do público, bem como mais de 35 oradores, David Bereit, diretor nacional de 40 Days for Life, foi encorajado pelo que chamou de "uma onda renovada de interesse popular" no movimento pró-vida.

"Somos um movimento unido que colabora para fazer tudo o que podemos para acabar com o aborto," disse ele durante a conferência.

"Depois de 52 milhões de vidas terem sido perdidas no aborto, depois de milhões de mulheres terem sido feridas por um aborto, depois da indústria do aborto ter tentado forçar através da sua agenda de todas as maneiras possíveis... as pessoas estão reconhecendo que suficiente é suficiente e isso deve acabar," acrescentou.

Dr. Tony Levatino é um ex-abortista, cujo testemunho é conhecido no círculo pró-vida. Praticou ginecologia e obstetrícia na prática privada desde 1980. Ele nunca funcionou como uma clínica de aborto, mas realizou abortos no primeiro e no segundo trimestre em seu escritório de rotina OBGYN.

Curta-nos no Facebook

Recordando o método D & E que ele e seu parceiro usaram para abortos tardios, Levatino conduziu ouvintes no sábado, através do procedimento macabro.

"Você alcança por um instrumento ... é cerca de 13 centímetros de comprimento, de aço inoxidável, e tem fileiras de dentes afiados no final. é um instrumento de apreensão. Quando se agarra algo não deixa ir," explicou.

Ao realizar um aborto D & E, você não pode ver nada, disse ele. "Tudo está por se sentir." Ele pegaria o aparelho, alcançaria e agarraria cegamente alguma coisa.

"Quando você começa a prender algo, sente-se você mesmo puxando e quero dizer difícil," disse Levatino, ao que guiava os ouvintes. "E quando de repente ele aparece livre, vem para fora da perna, cerca de quatro centímetros de comprimento que você coloca sobre a mesa próxima a você."

Ele continuaria a fazê-lo até, finalmente, ele remover a cabeça (do tamanho de uma ameixa), às vezes se vê um rosto olhando para ele.

"Parabéns, você acabou de realizar um aborto D&E de segundo trimestre," disse ele. "Você acabou de afirmar o seu direito de escolha. Você acaba de fazer 600 dólares em dinheiro em 15 minutos."

Levatino, que realizou mais de 1.200 abortos, tornou-se um advogado pró-vida, após sua filha adotiva ser morta em um acidente de carro em 1984.

Quando ele voltou a realizar um aborto D & E após o acidente, ele ficou literalmente doente, disse ele. Ele teve que terminar o processo, mas depois, ele sentiu uma mudança de coração.

"Pela primeira vez após todos esses anos e todos os abortos eu não estava pensando em que grande médico eu era e eu não estava pensando em seu direito maravilhoso de escolher e eu não estava nem pensando nos $ 600 que eu havia feito em 15 minutos. Tudo o que pude ver foi filho ou filha de alguém. E eu realmente olhei para aquele monte de gosma do lado da mesa e tudo que eu conseguia pensar era 'Meu Deus, este era o filho ou filha de alguém."

A sobrevivente de aborto Gianna Jessen bem conhecida, também foi uma oradora de destaque no evento Web. Sua mãe estava em mais de sete meses de gravidez, quando ela foi para a Planned Parenthood para ter um aborto por solução salina.

"O que as massas não percebem é que a indústria do aborto é movida por dinheiro," ressaltou. "Assim, a fase posterior de gestação, mais dinheiro é convidado para o aborto. Em essência, o que estou dizendo é que abortos tardios acontecem o tempo todo."

Jessen sobreviveu milagrosamente ao aborto que foi feito para queimá-la, de dentro para fora no ventre de sua mãe. Ela saiu sem uma marca mas nasceu com Paralisia Cerebral e foi dito que ela seria nada mais do que um vegetal.

Em um tom alegre e muitas vezes rindo, Jessen disse confiantemente, "Eu posso fazer todas as coisas naquele que me fortalece. Um médico pode dizer que eu não posso me mover, mas Deus pode dizer outra coisa."

Jessen completou recentemente duas maratonas em seus dedos.

"Eu só quero saber que eu faço Ele (Deus) sorrir. Isso é tudo," disse ela, observando que Deus salvou sua vida e salvou sua alma.

Como Jessen compartilhou seu testemunho, Bereit se lembrou dos ouvintes, quando você joga fora toda a teoria e da retórica, salvando o nascituro não é apenas uma questão política ou uma questão religiosa. "é uma questão de direitos humanos," disse ele.

Uma maneira de abordar a questão é fazer uma pergunta diferente, "nós podemos matar o feto?"

Scott Klusendorf da Life Training Institute e autor de The Case for Life, declarou: "Tudo se resume à questão: 'o que está por nascer?'"

"Será que alguém que conhecemos, por exemplo, sugere que você pode matar alguém de 2 anos em nome da confiança que os pais fazem suas próprias decisões pessoais?" representou ele. "Eles apenas alegam desta forma com o aborto, porque eles assumem que os nascituros não são humanos.

"Eles não discutem por isso. Eles supõem."

Equipando os pró-vida sobre a forma de defender o nascituro, Klusendorf ofereceu um par de argumentos simples.

Os pró-vida podem argumentar, cientificamente, que os fetos são distintos, seres humanos num todo e viventes e não somente parte de um ser humano, como células da pele. "Eles são entidades vivas totais," frisou.

"Filosoficamente, não há diferença relevante entre o embrião que vocês já foram e os adultos que vocês são hoje, que justificaria matá-lo nessa fase inicial de desenvolvimento."

Citando Stephen Schwarz, que desenvolveu o teste SLED, observou que "as diferenças de tamanho e nível de desenvolvimento e ambiente e grau de dependência não são boas razões para dizer que você poderia ser morto, então, mas não agora."

Mais de 30 organizações se juntaram para a conferência da webcast. O áudio das sessões do dia inteiro estão disponíveis em http://endingabortion.com/.

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca