The Christian Post > Mundo|Qui, 17 Mar. 2011 12:51 PM EST

Muammar al-Gaddafi Chama Manifestantes para Brigar em ‘Batalha Decisiva’

PorEthan Cole | Christian Post Reporter tradutor Amanda Gigliotti

Muammar al-Gaddafi não mostra sinal de que ele pretende largar o poder prometendo, quinta-feira, engajar em uma “batalha decisiva.”

  • libya-christian-post
    (Foto: AP / Jerome Delay)
    Após o anúncio na televisão estatal da Líbia de que as forças de Muamar Kadafi tomaram a cidade oriental de Ajdabiya, apoiadores Kadafi comemoram na praça verde em Tripoli, na Líbia, terça-feira 15 de março de 2011. As forças do governo atingiram o coração da rebelião com ataques aéreos, mísseis e artilharia na terça-feira, tentando pela primeira vez ter de volta uma cidade que serve como uma passagem crucial para a banda de lutadores que ameaçavam a sua espera de quatro décadas no poder.

O ditador, que governou a Líbia por mais de 40 anos, foi citado em TV estatal dizendo, “A batalha continua no Misurata na quinta-feira, que será a batalha decisiva,” relatou Al Jazeera.

Misurata está a cerca de 93 milhas da capital Tripoli e está atualmente ocupada por rebeldes.

Gaddafi urgiu seus partidários a “pegar em armas” e lutar para que a cidade não seja deixada “refém nas mãos de um punhado de loucos.”

Apesar da condenação internacional, Gaddafi tem enviado tropas contra os protestantes e os civis, resultando em um banho de sangue de mais de 1.000 pessoas mortas e milhares de pessoas feridas.

Em uma declaração anterior, o líder imprevisível da Líbia prometeu brigar para reter poder até sua última gota de sangue.

Curta-nos no Facebook

As Nações Unidas tem passado uma resolução pedindo a Gaddafi para parar a matança dos protestantes e emitiram uma sanção contra o seu regime, mas ainda não tem feito intervenção militar.

A secretária de Estado Hillary Clinton, que esteve no Cairo na quarta-feira, disse, “nós queremos fazer o que podemos para proteger inocentes libaneses contra os saqueadores liberados pelo regime Gaddafi.

“E claro, o tempo é rápido em cima de nós. Há uma urgência para isso,” disse ela.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas está considerando passar uma zona de exclusão aérea na Líbia para parar as forças de Gaddafi de conduzir ataques aéreos contra rebeldes e civis. Os Estados Unidos apoiam a zona de exclusão aérea e querem ajudar os rebeldes, mas um diplomata familiar com a discussão disse ao The Associated Press que Washington não irá agir por si próprio para parar ataques por Gaddafi sem a autorização das Nações Unidas.

No fim de semana, mesmo a Liga árabe expressou apoio à zona de exclusão na Líbia. Clinton chamou isso “extraordinário” que a nação árabe estava chamando a ONU para tomar medidas “contra um deles mesmos.”

Até recentemente, a administração de Obama tem estado hesitante em apelar para a zona de exclusão aérea porque o Pentágono disse que esse é um passo equivalente para a guerra, de acordo com a AP. Os Estados Unidos já estão envolvidos em guerras no Iraque e Afeganistão e está receoso de entrar em um terceiro, especialmente em um país no qual se tem pouco conhecimento.

O líder rebelde Mustafa Gheriani disse desde a cidade de Benghazi que enquanto a oposição espera que as Nações Unidas votem para prover apoio para eles, mesmo se isso não acontecer, “nós iremos confiar em nós mesmos e fazer o que podemos.”

“O curto genocídio do leste da Líbia, há pouco que Gaddafi possa fazer porque ele não pode mais decidir sobre nós,” disse Gheriani.

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca