The Christian Post > Cristianismo|Qua, 10 Nov. 2010 19:45 PM EST

Movimento Ecumênico Enfraquecendo, Diz o Líder Conservador

PorLillian Kwon | Christian Post Reporter tradutor Rodrigo L. Albuquerque

Enquanto os líderes da Igreja de todas as denominações discutem novos rumos para o movimento ecumênico de 100 anos de existência, um Cristão conservador acredita que mudanças importantes precisam ser feitas para que haja ainda um futuro.

"Infelizmente, nos últimos 50 anos, ele (o movimento ecumênico) desapareceu na margem e é agora grandemente ignorado," disse Mark Tooley, presidente do Instituto de Religião e Democracia, que monitora as principais denominações e grupos ecumênicos.

Cerca de 400 pessoas de várias Igrejas protestantes e de tradições católica e ortodoxa abriram um encontro festivo, na terça-feira, em Nova Orleans, comemorando os 100 anos do movimento ecumênico ou unidade cristã.

Ao longo de três dias, liderados pelo Conselho Nacional de Igrejas, os participantes estão a discutir a diversidade, as relações inter-religiosas e a cooperação ecumênica para o próximo século, entre outras coisas.

John M. Buchanan, editor do Christian Century, disse em um discurso dirigido aos participantes, "A unidade da Igreja, a visão ecumênica - que você aqui esta tarde encarna - não é uma adição liberal ao Evangelho, é o coração do Evangelho. É um imperativo evangélico - 'que pode ser um modo que o mundo possa crer.’ Em um mundo radicalmente global, pluralista, em verdade, não temos credibilidade sem unidade."

O discurso foi lido pelo reverendo Sharon Watkins, ministro-geral e presidente da Igreja Cristã (Discípulos de Cristo). Buchanan não pôde comparecer à reunião.

Curta-nos no Facebook

Tooley reconheceu que não é verdade a afirmação de Buchanan. Mas ele acrescentou: "Infelizmente, grupos como o NCC e o CMI (Conselho Mundial de Igrejas) têm interpretado a unidade para significar a criação de organizações burocráticas centralizadas, como eles próprios que uma lista de denominações pertencem quando tendências mostram mais ampla unidade dos Cristãos [que é] muito mais informal e menos institucional."

O NCC e sua abordagem para a unidade dos Cristãos são muito desatualizadas, Tooley afirmou ao The Christian Post.

Em cima disso, o sentido liberal da organização tem igualmente problemas. "O NCC e o seu antecessor, o Conselho Federal de Igrejas, alinharam-se com uma perspectiva teológica liberal, que também defendia uma perspectiva política liberal," disse ele. "Enquanto eles estavam fazendo isso, eles se esqueceram de consultar com frequência os membros da Igreja que eles estavam reivindicando para representar."

Embora o movimento modernista da unidade dos Cristãos tenha envolvido algumas das principais instituições religiosas da América há 100 anos atrás quando foi fundado. Hoje muitas das Igrejas envolvidas no ecumenismo sofreram queda acentuada de membresia durante os últimos 45 anos, observou Tooley.

Nenhuma das denominações crescentes pertencem ao NCC, acrescentou.

"Se existe a unidade, não é o que o NCC parece estar a promover."

Tooley sugeriu que se o NCC quer sobreviver, ele precisa descobrir como conectar-se em uma nova forma de ecumenismo. Isso envolve ser burocraticamente menos centralizado, teologicamente mais profundamente enraizado em crenças cristãs tradicionais, e menos alinhado com o Protestantismo liberal Ocidental e mais ligado ao Cristianismo ortodoxo global, frisou.

O tema para o Encontro Centenário NCC é "Testemunhas Destas Coisas: Envolvimento Ecumênico na Nova Era." A reunião de 09 a 11 de novembro marca 100 anos desde a Conferência Missionária de Edimburgo de 1910, onde os participantes, principalmente de órgãos protestantes na América do Norte e a Europa do Norte oraram para a Igreja ser uma.

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca