The Christian Post > Política|Qua, 13 Out. 2010 12:22 PM EST

Obama a Apelar da Decisão do ‘Não Pergunte, Não Fale’

PorNathan Black | Repórter do Christian Post tradutor Amanda Gigliotti

Conservadores pedem que o governo Obama apele da decisão de um juiz federal que o exército militar deve parar a execução do "Não Pergunte, Não Fale."

  • department-of-justice
    (Foto: AP / Images Elswick Jon)
    O edifício da sede do prédio do Departamento de Justiça na Avenida Pennsylvania, em Washington, domingo 5 de setembro de 2010.

Na terça-feira, a juíza Distrital dos EUA Virginia A. Phillips emitiu uma injunção permanente, ordenando que o governo "imediatamente suspenda e interrompa qualquer investigação, ou dispense, separação ou outro processo, que possa ter sido iniciado no âmbito do “Não Pergunte, Não Fale."

O Presidente Conselho de Pesquisa Familiar Tony Perkins acusou o juiz de "brincar com a nossa política de defesa nacional" e de usar os militares para fazer avançar uma agenda liberal social.

Ele observou que o juiz também ignorou a opinião dos chefes de serviço militar que têm desaconselhado revogar a política da era Clinton que proíbe homossexuais de servirem abertamente nas Forças Armadas. Levantar a proibição poderia perturbar a coesão da unidade durante operações de combate em curso e afetar o moral, afirmaram eles.

No mês passado, Phillips tinha derrubado a política, concluindo que ela viola os direitos fundamentais dos servicemembers norte-americanos e viola a Primeira e a Quinta Emenda.

Ela rejeitou os argumentos que a revogação da política de criar uma prontidão militar ou um problema de coesão e disse que realmente prejudicou os esforços de recrutamento.

Curta-nos no Facebook

"Ao mesmo tempo que a lei tem causado a dispensa de mais de 13.000 membros das forças armadas, incluindo centenas de pessoas em ocupações críticas, a escassez de tropas levou os militares a permitir a inscrição daqueles a quem anteriormente teria sido negada a entrada por causa de seus registros penais, falta de educação, ou da sua falta de aptidão física," escreveu ela em sua decisão de setembro.

Embora o Secretário de Defesa dos EUA Robert Gates e do Presidente Barack Obama tenha voltado à revogação, eles pisaram com cautela, pedindo paciência até que o Pentágono termine sua análise dos efeitos de levantamento do embargo. A revisão será em 1º de dezembro.

No mês passado, o Senado votou contra a revogação da política. Os democratas prometeram tentar aprovar a legislação ainda este ano, após as eleições de novembro.

O Rep. P Howard McKeon (R-Calif.), membro do ranking do House Armed Services Committee, solicitou à administração Obama apresentar uma moção para suspender a liminar.

"Somos uma nação em guerra," disse ele. "Esta decisão poderia ter um impacto negativo sobre o preparo militar e sua família visto que o Departamento de Defesa está despreparado para lidar com os problemas que costumam surgir a partir de uma mudança tão precipitada."

O Conselho de Pesquisa Familiar também pediu ao Ministério da Justiça para defender a política através do processo de apelação.

O governo tem 60 dias para apresentar o recurso.

Uma Pesquisa do Pew Research Center, divulgada na semana passada, descobriu que 60 por cento dos americanos são favoráveis à permissão de gays e lésbicas servirem abertamente nas Forças Armadas, enquanto apenas 30 por cento se opõe a ela. Entre os evangélicos, 43 são a favor de homossexuais servirem abertamente e 47 por cento se opõem.

A ação contra o "Não pergunte, Não Fale" foi interposta pelo Log Cabin Republicans, uma organização nacional de gays e lésbicas de base republicana, em outubro de 2004. O grupo alegou que a política viola os direitos constitucionais de seus membros e procurou uma injunção permanente. O caso foi a julgamento em julho de 2010.

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca