The Christian Post > Mundo|Qua, 23 Jan. 2013 09:01 AM EST

Pastor Saeed Abedini é excluído dos processos judiciais enquanto julgamento `fantoche` continua

PorStoyan Zaimov | Repórter do The Christian Post tradutor Amanda Gigliotti

No segundo dia do julgamento do pastor americano Saeed Abedini no Irã, a notícia veio a público que o pastor nascido no Irã nem sequer foi autorizado a participar dos processos do dia.

  • pastor Saeed Abedini
    (Foto: Centro Americano de Direito e Justiça)
    Pastor Saeed Abedini e sua família.

"É diferente de qualquer sistema judicial no mundo", disse Jordan Sekulow, diretor executivo do ACLJ, em um comunicado de imprensa partilhado com o The Christian Post na terça-feira.

"O Pastor Saeed e seu advogado foram excluídos da sessão de hoje. Não autorizado a assistir seu próprio julgamento. Foi-nos dito que o tribunal convocou outros pastores para depor hoje. Nós ainda não sabemos o que foi dito no tribunal, mas sabemos que o governo iraniano usa frequentemente ameaças e intimidações para obter o testemunho que ele quer", Sekulow acrescentou.

O grupo de direito chamou o julgamento uma "farsa", especialmente considerando que o advogado do pastor no Irã foi permitido falar apenas 24 horas com o réu antes dos processos judiciais começarem.

O pastor Abedini se converteu ao cristianismo em 2000, e se casou com Naghmeh Abedini, uma cidadã americana. Ele ajudou a igrejas cristãs clandestinas no Irã, que são uma minoria estrita, e nos últimos anos fez viagens de ida e volta entre os Estados Unidos e o Irã, trabalhando para estabelecer um orfanato para crianças carentes no país do Oriente Médio.
Ele foi preso por autoridades iranianas em setembro de 2012 e tem estado na prisão de Evin, em Teerã, desde então, aguarda julgamento por supostamente tentar converter outros jovens islâmicos em 2000, o que é um crime punível com pena de prisão a longo prazo ou até mesmo a morte.

O ACLJ, que está representando Naghmeh Abedini e dois filhos do casal nos Estados Unidos, observou que na segunda-feira, durante o primeiro dia de julgamento do pastor Abedini, seu advogado teve permissão para apresentar um forte argumento para o Tribunal da Guarda Revolucionária em Teerã, mas que tudo mudou na terça-feira, durante o segundo dia do julgamento, quando o pastor não foi nem autorizado a participar do processo.

Curta-nos no Facebook

"Hoje, houve uma audiência confirmada com um cristão que havia trabalhado ao lado de Saeed. O juiz de Saeed, sem Saeed ou seu advogado presente, questionou este indivíduo sobre a conversão ao Cristianismo, o trabalho com Saeed, e envolvimento nas igrejas domésticas", Naghmeh Abedini compartilhou em um comunicado sobre o segundo dia do julgamento.

"O juiz disse a essa pessoa para esperar uma intimação dentro de um mês para voltar a depor contra Saeed. O que foi divulgado pela mídia iraniana ontem foi claramente uma mentira. Como Saeed me disse durante uma de nossas conversas, que ele suspeitava que o regime planejava realizar no cárcere, por um longo tempo. Este testemunho hoje é mais uma prova de que o Irã estava apenas tentando silenciar a mídia e não tem intenção de liberar meu marido em breve," acrescentou a Sra. Abedini.

Na segunda-feira, autoridades iranianas afirmaram que o pastor havia sido libertado sob fiança, mas sua esposa afirmou que a história era uma mentira dos meios de comunicação iranianos.

"Nós apresentamos fiança. Depois que o juiz disse ao advogado de Saeed que a fiança voltou para debate, a família em Teerã correu em círculos hoje para se certificar de que Saeed havia sido libertado sob fiança. Mas, novamente o oficial de fiança rejeitou a fiança. Este é um jogo para silenciar os meios de comunicação internacionais", disse a Sra. Abedini na segunda-feira.

"O ACLJ está fazendo tudo o que pode para que o governo dos EUA participe plenamente no caso do pastor Saeed. Infelizmente, ainda há o silêncio do Departamento de Estado e Secretário de Estado, Hillary Clinton. Nenhuma chamada pública para a sua libertação imediata. Nenhuma condenação da prisão deste cidadão dos EUA," acrescentou Sekulow.

No entanto, o Conselho de Segurança Nacional dos EUA (NSC) se pronunciou sobre o caso do pastor Abedini. O NSC é usado pelo presidente Barack Obama para considerar a segurança nacional e questões de política externa com seus altos assessores de segurança nacional e funcionários de gabinete.

"Continuamos preocupados com o caso do cidadão dos EUA Saeed Abedini, que foi preso por autoridades iranianas mais de três meses atrás por acusações relacionadas a suas crenças religiosas", disse o porta-voz do NSC, Tommy Vietor. "Pedimos às autoridades iranianas para que libertem imediatamente.

De acordo com a ACLJ, mais de 180.000 pessoas assinaram uma petição exigindo a libertação de pastor Abedini e estão monitorando seu julgamento de perto.

  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
  • Wanderlei Silva no TUF Brasil...
Não Perca