The Christian Post > Mundo|Seg, 28 Jan. 2013 10:09 AM EST

Pastor Saeed é condenado a 8 anos na prisão brutal de Evin no Irã

PorAnugrah Kumar | Repórter do The Christian Post tradutor Amanda Gigliotti

O notório tribunal revolucionário islâmico do Irã no domingo condenou o pastor Saeed Abedini, um cidadão dos EUA, por "ameaçar a segurança nacional" liderando principais igrejas anos atrás, e o condenou a oito anos na prisão Evin de Teerã. A esposa de Saeed ficou "devastada" ao ouvir a notícia.

  • Pastor Saeed Abedini
    (Foto: aclj.org)
    Pastor Saeed Abedini e seus dois filhos.

No domingo de manhã, o juiz Pir-Abassi do Poder 26 do Tribunal Revolucionário do Irã - conhecido como o "juiz de enforcamento" - verbalmente condenou e sentenciou o pastor Saeed a oito anos de prisão, segundo o Centro Americano para Lei e Justiça (ACLJ), que representa a família do pastor nos Estados Unidos.

O tribunal desafiou a lei iraniana, o que exige um veredicto escrito.

A condenação foi baseada na evidência de atividades cristãs do pastor Saeed principalmente durante a década de 2000, quando igrejas não eram percebidas como uma ameaça sob o governo do presidente Khatami.

Desde que foram percebidas, o Tribunal Revolucionário Iraniano – designado a julgar os suspeitos de contrabando, blasfema, incitação à violência ou a tentativa de derrubar o governo iraniano e conhecido por suas sentenças rápidas e duras - a convicção e condenação do pastor Saeed deve ter exigido a aprovação pelo Líder do Supremo do Irã, aiatolá Khamenei, o ACJL ressalta.

A sentença vem depois de um aumento de uma falsa esperança por parte das autoridades judiciais.

Curta-nos no Facebook

Um administrador de tribunal disse um amigo da família do pastor que seu advogado deveria comparecer ao tribunal porque Saeed seria liberado em breve. O advogado, Dr. Naser Sarbazi, não teve notificação de que sua presença era necessária, e a família de Saeed não foi informado sobre a data para a condenação.

"A promessa de sua libertação foi uma mentira", ACJL citou a esposa dele, Naghmeh Saeed, dizendo após o veredicto. "Nós não devemos confiar nas palavras vazias ou promessas feitas pelo governo iraniano. Essas falsas esperanças somam-se à tortura psicológica. Você não quer confiar neles, mas eles constroem um lampejo de esperança antes do golpe esmagador. Com o desenvolvimento de hoje eu estou devastada pelo meu marido e minha família."

Jordan Sekulow, Diretor Executivo do ACLJ, chamou a condenação de "um travesti de verdade." O Irã, ele disse, "não só abusou suas próprias leis, como pisou sobre os fundamentos dos direitos humanos." Um cidadão americano, que foi espancado e torturado desde sua prisão no ano passado, enfrenta um termo de prisão simplesmente por causa de sua fé cristã, acrescentou. "O pastor Saeed agora enfrenta oito anos em uma prisão dura – provável de enfrentar tortura e abuso que ameça sua vida nas mãos do regime iraniano".

Os cidadãos do mundo devem se levantar em protesto, Sekulow disse. "Apelamos aos governos de todo o mundo para se levantar e defender o pastor Saeed. Como sua esposa alegou, começando com o nosso próprio governo, todo esforço deve ser prosseguido. Estamos pedindo ao Departamento de Estado e da Casa Branca, que apelaram a uma liberação do pastor Saeed, para se envolver ainda mais.

"Temos agora de buscar todos os esforços, transformar cada pedra, e não parar até Saeed estar seguro em solo americano", insistiu a esposa de Saeed.

Sexta-feira passada, o Departamento de Estado dos EUA e a Casa Branca condenaram a prisão de Saeed, apelando ao Irã para libertá-lo.

"Nós condenamos a contínua violação do Irã aos direitos universais de liberdade de religião, e pedimos às autoridades iranianas que respeitem os direitos humanos do Sr. Abedini e que o liberte," disse a porta-voz do Departamento de Estado, Victoria Nuland, durante a entrevista coletiva diária no Departamento de Estado.

Embora tenha havido preocupações sobre uma possível pena de morte para o pastor Saeed, também houve esperança de que o Irã iria fosse responder ao apelo de Washington para a sua libertação.

O julgamento do pastor Saeed começou na segunda-feira passada, quando os promotores alegaram que ele tem uma influência subversiva politicamente sobre os jovens e, portanto, representa uma ameaça para a segurança nacional. O pastor e seu advogado foram barrados numa audiência no dia seguinte em que líderes leigos da igreja foram forçados a testemunhar contra Saeed.

Saeed - que cresceu no Irã antes de converter-se ao Cristianismo na idade de 20 – viajava com sua família, indo voltando do Irã aos EUA, várias vezes nos últimos anos, para conhecer a sua família e para o trabalho cristão. Durante uma viagem, em 2009, ele foi detido por autoridades iranianas e interrogado por sua conversão. Enquanto ele foi liberado com uma advertência contra a participar em quaisquer actividades da igreja, ele foi novamente preso em julho passado, enquanto trabalhava em um projeto de orfanato não-sectário.

  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
  • Wanderlei Silva no TUF Brasil...
Não Perca