The Christian Post > Cotidiano|Seg, 17 Jun. 2013 11:21 AM EST

Pedido retirada de vídeo com depoimento de Edir Macedo em audiência é negado pela justiça

No vídeo, Macedo se defende da acusação de falsidade ideológica, dizendo acreditou em pessoas que trabalham com ele

PorAdoniran Peres | Correspondente do The Christian Post

O juiz da 34ª vara Cível de São Paulo, Anderson Fabrício da Cruz, manteve a recusa referente ao pedido de advogados do bispo Edir Macedo e Honorilton Gonçalves da Costa para retirar um vídeo do YouTube, que mostra os religiosos prestando depoimento em audiência, respondendo a um processo de falsidade ideológica. No vídeo, Macedo, líder da igreja Universal do Reino de Deus e dono da Rede Record de televisão, acusa pessoas que trabalham com ele de responsabilidade referente a acusação.

  • Edir Macedo
    (Foto: Divulgação/TV Record)
    Edir Macedo defende que ser crente não é garantia de salvação ou prosperidade

A ação penal foi aberta em 2005 com objetivo de apurar a acusação de que o bispo Edir Macedo supostamente falsificou uma procuração para transferir as cotas da TV Vale do Itajaí do ex-pastor Marcelo Pires para o pastor Honorilton Gonçalves. No vídeo, que foi gravado em uma audiência no estado de Santa Catarina, Edir Macedo se defende da acusação de falsidade ideológica, dizendo que por acreditar em pessoas que trabalham com ele assinou muitos papéis sem ler o conteúdo.

Edir Macedo se defendeu ainda para o juiz, no dia 28 de agosto de 2012, com o argumento de não ter se lembrado de tal procuração porque assinava muitos documentos. Honorilton Gonçalves confirmou que adquiriu 88 cotas da emissora, em 1996, e também disse não ter informação sobre a suposta fraude na procuração.

Os advogados dos religiosos argumentaram no pedido de retirada do vídeo do You Tube e do sistema de busca do Google, que a gravação e divulgação do vídeo se tratam de um ato covarde com o objetivo de promover o sensacionalismo barato. Segundo ainda os advogados, a gravação do depoimento viola os direitos morais e os aspectos da personalidade jurídica das pessoas.

Segundo informações da JusBrasil, o juiz negou o pedido novamente argumentando que "em processos públicos, a princípio, é completamente desnecessária qualquer autorização para o acesso aos autos e, em consequência, aos atos processuais como, por exemplo, as gravações das audiências".

Curta-nos no Facebook

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca