The Christian Post > Política|Qui, 25 Out. 2012 16:34 PM EST

Silas Malafaia aponta mentiras no documento de Haddad com apoio de evangélico

PorNatalie Neris | Correspondente do The Christian Post

O pastor Silas Malafaia contestou recentemente um documento em que 20 líderes evangélicos supostamente assinaram em apoio a Fernando Haddad, candidato do PT à prefeitura de São Paulo. Silas aponta mentiras, especialmente no que diz que aos líderes terem censurado a atitude dele de apoiar o outro candidato, Serra.

  • silas malafaia
    (Foto: YouTube)
    Pastor Silas Malafaia responde ao ativista gay Marcio Retamero, que disse que estaria "disposto a pegar em armas se preciso for" em um discurso contra os evangélicos, no IX seminário LGBT, no Congresso Nacional, em Brasília.

Malafaia em seu site respondeu rebatendo o documento e palavras do candidato petista. “Haddad e o PT produziram a notícia de que 20 entidades evangélicas e vários pastores estão apoiando sua candidatura. Tenho certeza de que ele aprendeu a mentir com seus mentores, que acabam de ser condenados pelo Supremo Tribunal Federal por formação de quadrilha”, afirmou o pastor.

O documento em questão foi divulgado principalmente por toda a imprensa paulista. Respondendo a isso, o pastor Silas desabafou: “Não posso acreditar que a imprensa de São Paulo esteja a serviço de um mentiroso e inescrupuloso como Haddad. Ele nem precisa fazer teste para ser artista; ganha vaga em qualquer filme de Hollywood”.

O popular pastor, Silas Malafaia, apresentou em cinco tópicos as supostas mentiras produzidas por Haddad. No primeiro, questiona o fato de pastores terem pedido uma reunião o candidato.

“Mentira 1: Que os pastores pediram reunião com ele. Mentira! A equipe de Haddad que convidou os pastores, e a reunião aconteceu no diretório do PT em São Paulo”.

Em segundo ele afirma que os pastores assinaram o documento, mas não sabiam que o mesmo falava contra ele. “Mentira 2: que os pastores assinaram o manifesto de apoio a Haddad e contra minha posição ‘violenta’ em relação a ele. Mentira! Os pastores assinaram um documento de apoio a Haddad sem saber que o documento também era um documento contra minha pessoa”.

Curta-nos no Facebook

Contestou ainda sobre a quantidade de líderes presentes na reunião. “Mentira 3: Que a reunião foi feita com 200 líderes de entidades evangélicas. Mentira! Não tinha um líder, isto mesmo, um líder evangélico de expressão em São Paulo. Havia somente líderes sem projeção. Eu poderia listar os 20 maiores líderes de São Paulo, e nenhum deles estavam lá”.

O líder das Assembleias de Deus Vitória em Cristo desmentiu também a informação de que a Convenção Geral das Assembleias de Deus no Brasil estaria apoiando o candidato à prefeitura.

“Como sempre tenho dito, quem apoia são as pessoas, e não as entidades. A CGADB, entidade maior das Assembleias de Deus do Brasil, é presidida pelo Pr. José Wellington, que apoia Serra e nunca falou em nome da CGADB ou da Assembleia de Deus”.

No final de seu manifesto, o pastor Malafaia apresentou um tópico polêmico: o kit gay. Segundo ele, na reunião com o candidato petista, os líderes evangélicos pressionaram Haddad a falar sobre o kit gay, mas o candidato se esquivou.

“Os pastores que estavam na reunião questionaram Haddad sobre o kit gay, e ele se recusou a responder”.

“Segundo Haddad, quando eu apoiei Serra, ele disse que não iria dar importância ao submundo da política e ao mundo das trevas. Agora, com medo de não receber o voto dos evangélicos, monta uma farsa para tentar ludibriar o povo de Deus em São Paulo”, desabafa Malafaia.

Documento

O documento questionado foi assinado por 20 líderes evangélicos que endossaram a candidatura de Haddad e traz cinco reivindicações que são: a liberdade para todas as crenças, a defesa do Estado laico, parcerias entre governo e entidades religiosas com fins sociais e promoção de políticas de inclusão social em vários setores.

O último ponto é um pedido: “fim das perseguições e do clima de medo imposto pelos governos de Serra e Kassab, com a aplicação de multas e até mesmo o fechamento de templos, através da aplicação arbitrária da legislação municipal, como a Lei do Psiu”.

  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
  • Wanderlei Silva no TUF Brasil...
Não Perca