The Christian Post > Mundo|Qui, 13 Jun. 2013 10:08 AM EST

Supremo Tribunal dos EUA proíbe imagens 'horríveis' de aborto que podem perturbar crianças

PorStoyan Zaimov | Repórter do The Christian Post tradutor Amanda Gigliotti

A Suprema Corte dos EUA decidiu nesta segunda-feira que não irá rever o caso de Scott v Saint John's Church in the Wilderness, um caso que envolveu um tribunal inferior que proíbe a exibição de imagens explícitas de aborto, onde as crianças possam chegar a vê-las.

  • pro vida
    (Foto: Reuters)
    Placa Anti-Aborto na Irlanda.

O New York Times lembrou que o caso se originou a partir de um protesto pró-vida ao ar livre de 2005, no Domingo de Ramos em uma igreja Episcopal em Denver. Os manifestantes estavam aparentemente descontentes com postura pró-aborto da Igreja, e protestaram, mostrando grandes imagens de fetos abortados, perturbando algumas das 200 crianças que estavam presentes.

Após a igreja processar Kenneth T. Scott, uma das pessoas por trás do protesto, o Tribunal de Apelações de Colorado apresentou uma proibição de "exibir grandes cartazes ou painéis semelhantes, retratando imagens chocantes de fetos mutilados ou organismos mortos de forma razoavelmente prováveis de serem vitos por menores de 12 anos".

A posição do Tribunal dizia: "A voz de Scott era tão alta que substancialmente interferia nos cultos ao ar livre, o volume e a natureza da manifestação, juntamente com a natureza gráfica e sangrenta dos cartazes dos réus, causaram vários desses presentes nos cultos a 'chorar , ter tremores, medo e raiva'; as crianças presentes ficaram assustadas com os cartazes dos réus; e por causa das ações dos réus, 85-100 paroquianos se recusaram a participar de nem sequer um segundo do culto ao ar livre".

A Saint John's Church in the Wilderness disse que não tinha interesse em suprimir a mensagem pró-vida, mas queria ter certeza que seus paroquianos estavam autorizados a orar e adorar em paz.

"A congregação não podia orar e participar de forma significativa no culto de Domingo de Ramos sem serem forçados a ver imagens terríveis", disse.

Curta-nos no Facebook

O Tribunal de Justiça de Colorado acrescentou que a sua decisão não foi feita para suprimir a expressão "de Scott" por causa de seu conteúdo, dizendo que havia um "interesse do governo convincente em proteger as crianças de imagens perturbadoras".

Em março, a Thomas More Society enviou uma petição ao Supremo Tribunal Federal, na esperança de que iria decidir rever o caso. O grupo sem fins lucrativos, que frequentemente lida com casos de cristãos, teve Professor Eugene Volokh da UCLA Law School, jurista e autor da primeira Emenda, projetar o documento enviado ao Supremo Tribunal Federal. Nele, argumenta-se que a proibição de "imagens" horríveis " silencia o discurso que é fundamental para a mensagem pró-vida como "fotos ... mensagens que transmitem de forma que palavras não podem fazer."

A petição recorda vários casos no movimento pelos direitos civis que apresentaram abusos horrível feitos em Africano americanos, onde as fotos de corpos mutilados foram amplamente divulgadas por toda a mídia e inflamaram indignação em todo o país.

Tom Brejcha, presidente e conselheiro-chefe de Thomas More Society, havia manifestado a esperança de que o Supremo Tribunal Federal iria decidir rever o caso, que segundo ele mostra "persistentes esforços por funcionários do governo de empunhar a tesoura da censura para suprimir o discurso pró-vida vital".

"As fotos são um anátema para os defensores pró-aborto porque expõem a verdade nua e crua de que o aborto é repugnante e terrível. Se os Estados Unidos insistem em direito ao aborto, eles devem enfrentar estes resultados horríveis", continuou Brejcha.

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca