The Christian Post > Cotidiano|Seg, 19 Mar. 2012 15:49 PM EST

Turistas brasileiras sequestradas no Egito são libertadas: ‘oramos o tempo todo’

PorJussara Teixeira | Colaboradora do The Christian Post

Duas turistas brasileiras tomadas como reféns por beduínos, neste domingo (18), no Egito, já foram libertadas e passam bem, segundo um porta-voz do Itamaraty. Evangélicas, elas oraram durante todo o período do cárcere. Evangélicas, elas oraram durante do o período do cárcere.

Sara Lima Silvério, de 18 anos, e Zelia Magalhães de Mello, de 44 ficaram cerca de 9 horas em poder dos beduínos, mas elas disseram que foram bem tratadas e não sofreram agressões.

“Eles nos ofereceram coberta, chá, comida. Em nenhum momento eles atiraram, ameaçaram ou nos molestaram”, relatou Sara, por telefone, à rádio Estadão ESPN. Junto com as duas brasileiras, dois egípcios também foram sequestrados.

Sara disse que a postura dos beduínos e a oração a mantiveram tranquila. "A todo momento falavam que ficaríamos bem. Ficamos orando o tempo todo. Não sabíamos se seríamos libertadas hoje, mas mantivemos a calma, ficamos orando. A gente não se desesperou nem chorou. Ficamos preocupadas com quem estava aqui (no hotel), porque eles não sabiam se estávamos mal ou não", disseram após a libertação, segundo o Terra.

As brasileiras participavam de uma caravana religiosa em um grupo de 42 pessoas da Igreja do Avivamento da Fé, de Osasco.

Ele haviam saído de Gizé, e seguiam pelo caminho da península do Sinai, na região de Wadi Firan. Dez minutos de viagem na estrada e o ônibus foi atacado por dois carros com homens armados com metralhadoras.

Curta-nos no Facebook

No ônibus atacado, estava o grupo de brasileiros, e entre eles o pai de Sara, o pastor evangélico Dejair Batista Silvério. “Foi assustador, eles deram mais de 30 tiros, obrigando o ônibus a parar”, explicou, completando: “eles entraram rapidamente dentro do ônibus e todos nós achamos que seríamos metralhados”, completou.

Um dos xeques tribais teriam se deslocado ao local do incidente imediatamente após saber da notícia, segundo um porta-voz da coalisão de tribos do Sul do Sinai, Yuma Salim Barakat. Ele ainda ressaltou que as tribos não costumam praticar o seqüestro de turistas, pois isso afeta a vida dos moradores da região.

A intenção dos sequestradores, segundo informações extraoficiais, era a de trocar reféns estrangeiros pelo filho de um líder tribal preso que está preso. Ele está sob a custódia da polícia egípcia pela acusação de posse de drogas e armas.

O pastor Dejair disse que sua fé foi reafirmada com o acontecido: estamos em uma caravana, e Deus não negou fogo onde operou tantos milagres no passado", comemorou Dejair Batista Silvério, 60 anos.

Ele ainda elogiou a atuação do Itamaraty no caso. "O governo brasileiro foi maravilhoso. A embaixada agiu, entraram em contato comigo em várias oportunidades e vão voltar a falar porque querem conversar com elas. Tivemos toda a assistência possível", sustentou.

As brasileiras darão continuidade à excursão da qual participam e visitarão localidades próximas a Jerusalém, como o monte Sinai e o Mar Vermelho.

Contato: jussara.teixeira@christianpost.com Twitter: @TeixeiraJussara
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
  • Wanderlei Silva no TUF Brasil...
Não Perca