The Christian Post > Cotidiano|Sex, 2 Jul. 2010 02:36 AM EST

Festival de Música Cristã, Controvérsia sobre Jim Wallis

PorAudrey Barrick | Repórter do Christian Post tradutor Amanda Gigliotti

Um festival de música anual cristã atraiu inesperada controvérsia com um dos oradores – Jim Wallis.

  • Jim Wallis
    (Foto: Sojourners via The Christian Post)
    Jim Wallis, fundador do grupo de justiça social Sojourners, fala no Fórum Econômico Mundial, em Janeiro de 2010.

Apesar de Wallis estar entre os 58 oradores da lista deste ano na Lifest, alguns Cristãos locais protestaram a sua aparição e um recente patrocinador retirou seu apoio.

“Depois de pesquisar extensivamente as palavras e posições publicadas de Jim Wallis e sua organização, a Sojourners Magazine, e buscando fervorosamente a orientação pelo Espírito Santo em oração, nós viemos a acreditar que a mensagem de justiça social e a gente que eles prometem é uma ação do humanismo secular, buscando uma aliança não santa entre a Igreja e o Governo,” declarou uma estação de rádio cristã, a Q90 FM, de De Per, Wisconsin.

Por meses, o fundador da Lifest, Bob Lenz teve conversações com pastores locais e outros que levantaram preocupações sobre a aparição de Wallis – que é considerado um cristão progressivo – no popular Lifest, o qual dará início em 7 de julho em Oshkosh, Wisconsin.

Ao incluir Wallis para também na fila de oradores, alguns acusaram o festival de comprometer o Evangelho. O rádio hospedeiro Crosstalk Ingrid Schlueter expressou sua oposição em apresentar Wallis como “um líder cristão credível” e disse que a juventude está em “perigo espiritual” se eles participarem dos cinco dias do evento.

"Não há perigo espiritual aqui," disse ela. A juventude estará "sentada sob a tutela de um radical religioso e político que é ... hostil ao Evangelho bíblico."

Curta-nos no Facebook

Mary Danielson da Capela do Calvário, em Appleton, Wisconsin, disse que Wallis afirma ser um pastor evangélico, mas está simplesmente usando as Escrituras para "justificar o seu radicalismo."

"Ele não é titular, para os dogmas centrais do cristianismo bíblico, mas ele lê um tipo de justiça social na Bíblia," disse Danielson na rádio Crosstalk.

Respondendo ao tumulto, Wallis, que também serve como um conselheiro espiritual para o presidente Obama, divulgou um comunicado, dizendo: "Deixe-me ser muito claro que acreditamos na separação entre Igreja e estado. Cremos que a Igreja e o governo são capazes de melhor cumprir as suas funções quando elas funcionam separadamente e para além de intrusão institucional.

"No entanto, isso não significa que nós acreditamos na separação dos valores da vida pública."

"A definição bíblica da justiça social tem a ver com ajudar a trazer o Reino de Deus na terra como no céu, assim como Jesus nos ensinou a orar," disse Wallis, de acordo com o Post-Crescente. "E em um mundo onde metade da população vive na pobreza, há uma grande necessidade para o Reino de Deus de ser mais plenamente presente."

Lenz tentou acalmar a tempestade, reafirmando a finalidade de Lifest, que é pregar o Evangelho, trazer pessoas para Jesus e promover a unidade entre os Cristãos sobre a questão central do Evangelho.

"Minha preocupação é que as pessoas que levantaram suas vozes mais alto estão desviando as atenções do verdadeiro objetivo da Lifest," disse ele. "Nós esperamos que você seja uma parte de colocá-lo novamente em foco a partir do momento de abertura dos portões."

"Quando levamos alguém a falar em Lifest, eu prometo do melhor que sabemos que essa pessoa ama Jesus e está buscando uma relação com Ele, e que essa pessoa, tanto quanto sabemos, também está vivendo o Evangelho," Lenz explicou.

Lenz não concorda com todas as políticas de Wallis "ou até mesmo alguns de sua teologia" não essenciais," mas ele disse que não é possível removê-lo da lista baseando-se nas denúncias que foram feitas.

Ele garantiu aos apoiantes que Wallis estará compartilhando "o verdadeiro Evangelho, da sua conversão, e um apelo para nós, a Igreja, para assumir a nossa responsabilidade para com os pobres."

"Eu conheço Jim Wallis. Jim Wallis ama a Jesus," acrescentou. "Eu não teria nenhuma hesitação em ter meus filhos, jovens Cristãos, e requerentes ouvindo a sua mensagem. é uma mensagem que eu sinto que a Igreja precisa desesperadamente de ouvir."
Em outra medida para tranquilizar os apoiantes, Lenz adicionou o apoio de vários evangélicos que apóiam Wallis.

"Concordar ou discordar - Jim Wallis toca seu coração, estende-se a sua mente, e desafia os seus valores," afirmou Leith Anderson, presidente da Associação Nacional de Evangélicos. "Ele troveja como um profeta do Velho Testamento, mas ele é gentil e gracioso. Com o coração das pessoas e um sonho para um futuro melhor, Jim Wallis olha os tempos difíceis nos olhos e fala de esperança."

A Q90 FM, entretanto, observou que eles não estão pedindo um boicote da Lifest e eles não consideram Wallis um inimigo. "Nós só temos um desacordo fundamental sobre a sabedoria de trazer Wallis para Lifest," disse a estação de rádio.

A Lifest 2010 terá lugar no período de 7a11 julho e apresentará dezenas de oradores e mais de 100 artistas musicais e intérpretes. Outros oradores programados para aparecer incluem evangelista Luis Palau, sobrevivente de aborto Gianna Jessen, Bo Boshers com Willow Creek Association, e Tiger McLuen da Universidade de Bethel. Cerca de 15.000 pessoas são esperadas para assistir.

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca