The Christian Post > Tecnologia|Seg, 18 Abr. 2011 11:34 AM EST

Universalismo - Um Inferno Vazio, Uma Cruz Banalizada, Um Deus Incompleto

PorLillian Kwon | Christian Post Reporter tradutor Amanda Gigliotti

Os teólogos reformados rejeitam as tentativas universalistas, para amortizar a ira de Deus

  • gospel-coalition
    (Foto: Gospel coalition)
    (da esquerda) Don Carson, Kevin DeYoung, Tim Keller, Crawford Loritts, e Stephen Um discutem universalismo de o "Amor Vence" de Rob Bell.

O professor da pesquisa do Novo Testamento na Trinity Evangelical Divinity School em Deerfield, Ilinóis, não está contente que os universalistas estejam diminuindo a santidade de Deus, banalizando a cruz e distorcendo as verdades bíblicas.

Embora não tenha acusado diretamente Bell, Carson disse que a manipulação da expiação de Cristo por universalistas é uma blasfêmia.

"Eu digo isso com respeito, digo isto com quebratamento, mas é uma blasfêmia," disse claramente, conforme se dirigia aos pastores e outros participantes da conferência em Chicago.

"Você só tem que dizer isso. Você não pode simplesmente falar sobre a cruz com tal menosprezo, de modo denunciador, banalizando, minimizando."

Enfatizando a centralidade da cruz, ele afirmou: "Ele foi ferido pelas nossas transgressões, e moído pelas nossas iniquidades. Deus o colocou diante para ser a propiciação pelos nossos pecados que Deus seja justo e aquele que justifica o ímpio."

Curta-nos no Facebook

A conversa na quinta-feira, que foi seguida por um painel de discussão, foi precipitada pelo recém-lançado "Love Wins" ( O amor vence): Um livro sobre céu, inferno, e o destino de cada pessoa que já viveu. Nele, Bell, que é pastor da Mars Hill Bible Church, em Grandville, Michigan, combate a noção de pessoas sendo torturadas no inferno por toda a eternidade.

Ele denuncia o ensinamento de que somente poucos Cristãos selecionados viverão para sempre no céu, enquanto o resto são atormentados no inferno, chamando isso de tóxico e alegando que isso subverte a propagação da mensagem de amor de Jesus.

Bell deixou claro que acredita que o inferno existe. Mas ele questiona a crença de que a punição depois da morte é sempre e sugere que existem oportunidades de pós-morte para se arrepender e se juntar a Deus no céu.

O autor negou ser um universalista, dizendo que não acredita que Deus virá arrebatar a todos queiram eles ou não estar no céu.

Mas os evangélicos argumentam que o que Bell apresenta só pode ser descrito como o universalismo.

Na quinta-feira, Carson definiu o universalismo como a crença de que no final todos serão salvos, porém você entende “ser salvo” em diferentes religiões.

"Isso significa que, se houver um inferno, um dia ele estará vazio," explicou.

Referindo-se à negação de Bell, Carson afirmou: “Cuidado com as tentativas de turvar a definição de universalismo.”

"Rob diz que não é um universalista se por universalista queremos dizer que Deus de certa forma impõe sua vontade sobre as pessoas para forçar todos a ir para o céu quer queiram ou não. Ele não acha que Deus força sua vontade a ninguém. Em vez disso, ele acha que "o amor vence." Ele continua trabalhando neles... até que Ele tenha todos eles ao seu lado."

"Mas," continuou, "o universalismo não se refere ao molde ou o grau de força ou atratividade do amor de Deus. Refere-se ao resultado. Existem pessoas que são absolutamente ou eternamente rejeitadas ou todos vão ser salvos?"

Voltando a discussão dos universalistas, em geral, Carson indicou que sua visão do amor de Deus é distorcida ou incompleta.

Sim, Deus é amor, o teólogo e co-fundador da Coalizão do Evangelho observou. Mas a Bíblia fala do amor de Deus de formas diferentes e o que os universalistas fazem é absolutizar um aspecto dele - a saber, que Deus ama a todos da mesma maneira.

Há amor providencial, onde Deus envia o Seu Filho para morrer para justificar e os injustos. E há um anseio de amor, onde Deus "atreve-se a retratar-se como o todo-poderoso traído" e continua, mesmo após a traição para finalmente conquistá-los. Mas às vezes Deus também ama de uma forma particularizante como quando Ele amou Jacó, mas não Esaú, como ilustrado no Antigo Testamento. E outras vezes, o amor de Deus está condicionado pela obediência de seus seguidores.

Tudo isso dá uma imagem de um Deus que é soberano e, por outro lado, pessoal.

Infelizmente, os universalistas apenas enfatizam um aspecto, enquanto, deixam o resto.

"Esta explicação é horrível," manteve Carson. "Se você absolutizar as coisas apenas para fazer as respostas saírem do jeito que você quer, muito em breve você tem uma visão horrivelmente diminuída do que a Bíblia diz sobre Deus."

O teólogo evangélico reconheceu por que alguns podem estar ensinando sobre o inferno vazio e um Deus amoroso.

"Sentimos a pressão da cultura para encontrar o universalismo atraente," ressaltou.

"Há pressões em nossa cultura para reduzir o conteúdo das verdade das Escrituras e, em seguida, simplesmente rejeitar as pessoas dizendo que elas são intolerantes ou de mente limitadas... ou fanáticos, sem envolver a questão verdadeira em tudo. é realmente triste e em longo prazo, terrivelmente perigoso."

Parte do que aconteceu na cultura e nas Igrejas é que o Deus do Antigo Testamento foi diminuído.

Durante uma discussão anterior, Carson notou que existe uma suposição generalizada no evangelismo de que Deus no Antigo Testamento é mais fraco, que no Novo Testamento, considerando que há casos em que as pessoas ficam destruídas.

Mas ele afirmou que as passagens do Antigo Testamento sobre o julgamento não são aquelas que evitam constrangimento ou "fazem piadas e fazem um pedido de desculpas para Deus" e depois dizem: "Jesus é mais agradável."

"Quando você vai do Antigo Testamento ao Novo, você não vai de uma visão mais dura de Deus ... Pelo contrário, assim como a visão do amor de Deus está potencializada e tornou mais clara e maravilhosa, então a visão de Deus na sua ira e julgamento é feita mais clara e mais abrangente [no Novo Testamento]."

Reduzir a ira de Deus fica difícil conciliar com a Escritura, observou ele.

Juntamente com Carson em um curto painel de discussão, o pastor da Geórgia, Crawford Loritts descreve as tentativas de escolher os atributos únicos de Deus como Deus prostituto.

"Deus não precisa de um publicitário ou um agente ou uma empresa de relações públicas," acrescentou. "Deus não está sentado em torno imaginando se pessoas gostam dele."

O renomado teólogo Tim Keller também rejeitou as tentativas de elevar um atributo de Deus sobre o outro.

"Na cruz, todos os atributos de Deus vencem," ressaltou.

Em última análise, reduzir a ira de Deus afeta os pontos de vista sobre a expiação e a santidade.

"Não acho que você vê o espetacular amor de Deus até ver a espetacular santidade de Deus. Se você diminuir um, inevitavelmente diminuirá o outro," enfatizou Carson.

"Se você suavizar a sua visão da santidade de Deus, então o que a cruz alcançou também é um pouco enfraquecida."

O que a expiação se torna para os universalistas é a conquista do pecado, morte ou vencer o mal, "mas não deixando de lado a ira de Deus, porque, afinal, Deus nos ama."

O debate na conferência de 12 a 14 de abril foi oportuno, enquanto os Cristãos se preparam para a Sexta-feira Santa e a Páscoa que começa 22 de abril.

Antes de enviar os pastores de volta a suas Igrejas locais e seminários, Carson deixou claro que os riscos são altos quando se trata de obter o direito sobre a salvação, céu e inferno, porque uma que vez a decisão é feita nesta vida, as consequências são eternas.

"O inferno não está cheio de pessoas que querem sair. Eles não querem estar lá. Mas não acho que há uma sugestão bíblica de que as pessoas se arrependem no inferno," afirmou.

"Você não deve pensar no inferno como um lugar onde as pessoas estão dizendo: 'Ah, agora eu entendi. Seu amor finalmente venceu. Por favor me perdoe. Eu gostaria de outra oportunidade." Está cheio de gente, sim, que por toda a eternidade, são tão auto-centrada que não podem mesmo não parar de tentar ser deus para si mesmos. [é] um ciclo interminável de pecado e rebelião e maldição; Um mundo sem fim."

"Conhecemos a única solução para isso: O Evangelho de Jesus Cristo."

  • Victoria Osteen e seu esposo Joel Osteen, pastor sênior da Igreja Lakewood em Houston, Te...
  • ...
  • Brasileirão 2013: tabela de classificação completa após 1ª rodada...
  • Protestos ocorrem com a aprovação do casamento gay na França....
Não Perca